sábado, 23 de abril de 2011

Sobre o que ainda vão soprar no seu ouvido.

Ficção, é o que muitos vão dizer sobre tudo o que lhe contei.


As cartas que lhe escrevi chegaram a muitos lugares, filho. Atingiram longas distâncias, mas também ficaram por perto, rodeando muitos que não leram, mas imaginam delas o conteúdo.


Alguns deles são os mesmos que me acudiram na hora da dor. Minhas cartas, não sei por quê, alfinetam corações possessivos que conviviam com seu pai, como se lhes ferissem o orgulho de saber histórias que eu não sei.


Gente que quer ter o seu pai para si, ainda que morto. Como se houvesse jeito de ter alguém nessa vida.


Dessas pessoas, sempre vai existir uma ou outra apostando se a nossa vida juntos seria ou não para sempre. Como se falar de um amor fosse proibido porque ele não foi para sempre.


(É divertido apostar em desfechos para a vida dos outros, filho. E isso você, humano que é, vai descobrir um dia.)


Pois eu digo com certeza: não seria para sempre. Porque não foi.


A intensidade incomoda, filho. As palavras rasgadas e abertas talvez machuquem os que não tiveram a coragem delas. E a reação é lançar um alfinete de volta.


Minha história com o seu pai, a nossa história, só nós dois sabíamos. Mas, porque escrevi, agora milhares de pessoas sabem também. E como isso dói para tantas outras. Talvez pela verdade e força contida no que escrevi.


Minha história com seu pai teve idas e vindas. Espectadores vorazes adoram as idas, mas ignoram as vindas. E foi depois de uma volta alegre e em paz que a história teve fim. Um fim desenhado pela firme e suave mão do Autor, e não por seus personagens.


Chegam aos meus ouvidos, endereçadas ou não, frases soltas que sugerem que eu tenha dito apenas coisas boas sobre ele, o seu pai. Como se dele não conhecesse os deslizes. Talvez seja verdade, filho. Preferi focar no que ele tinha e demonstrou de bom. Não porque não tenham havido as coisas ruins.


Prefiro deixá-las a cargo daqueles que vivem de apostas, como numa corrida de cavalos, torcendo para que se realize o seu palpite – com uma secreta predileção pela queda ao longo do caminho.


Sei do que vivi, eu e seu pai. A gente sabe olhares e vozes porque os sente. Mora na sutileza a genuína fidelidade. Mas saber do outro e de nós não é saber do outro os seus segredos – nem o seu pai sabia os meus.


Essa gente que espalha palavras ao vento tem a pretensão de me julgar ingênua, quase pueril. Pois eu lhe digo que é deles a ingenuidade de me enxergar assim. Em meu amor por seu pai coube também uma reconstrução. De um homem esvaziado de amor, procurando em pequenos gestos e atos o seu próprio valor. Sei dele tanto, filho. Não me chegam novidades aos ouvidos. Sei de suas fraquezas e pecados, conheço fatos que o fizeram ser alguém melhor a cada dia. Mas calculo também seus percalços e delitos, porque eu também os cometi. Erra-se muito em busca de um amor feliz. E fica ainda mais difícil quando no meio do caminho nos perdemos do amor por nós mesmos.


Isso aconteceu a seu pai, filho. E eu me sinto muito responsável por ajudá-lo a se olhar melhor no espelho. Embora também, no meio do caminho, ele também tenha se valido de outros olhos, pois isso é sempre necessário.


Humanos que somos. Amantes que somos.


Será que ele teria ficado comigo para sempre? Não, eles gostam de dizer. Será que eu teria ficado com ele para sempre? – esquecem de perguntar.


E o que é para sempre?


Quando um casal tem um filho, nascem junto com o bebê duas novas pessoas – e elas se olham de novo, numa espécie de re-conhecimento. Penso que ele seria um bom pai. Acho que ele se apaixonaria pela mãe que sou. Ficou essa pergunta que, hoje, é mera curiosidade.


Assim como nos acompanha, acomodada, uma dor por você e seu pai não terem se conhecido. Pai e filho, sim, devem ter um ao outro para sempre.


Éramos dois, depois nos tornamos quase três e, por um tropeço no caminho, nos tornamos dois novamente – só que agora somos eu e você. Mas fomos, os três, feitos do mesmo amor. Que, independente de qualquer desfecho, vai estar sempre vivo em você.


Na vida é preciso saber fechar os olhos, a boca e também os ouvidos.


Humanos que somos, um dia já fomos ou seremos capazes de espalhar ao vento, por falta do que fazer, um boato ou outro de alguma história alheia. Até porque não é a nossa.


Humanos que somos. Amantes que somos.

66 comentários:

♥ Fernanda disse...

O que realmente importa é a verdade dentro de cada um de nós!

Nina disse...

" Erra-se muito em busca de um amor feliz. "

Que frase tão verdadeira, pela tristeza e alegria que contém.

Você está certíssima:

"Eles passarão. Eu passarinho."

Gabriela disse...

tão doído e bonito, simultaneamente, quanto cantar uma saudade.

Gabriela Rosa disse...

E ele estando aqui ou ñ haverão pessoas medíocres afim de se intrometerem nesse meio: duas pessoas q com amor mútuo geram uma!

E o q fica mesmo são as coisas boas, afinal q exemplo Francisco teria se só soubesse dos deslizes do pai q foi um ser humano errante como tds nós???

Bjs

Eu e a solidão disse...

Lindo, cortante, penetrante e cicatrizador como o tempo!

Deixe que eles falem, o que importa foi o que vcs viveram.

Beijos!

Cacarina disse...

Linda, linda, linda!
Comento tão pouco, convivo tão pouco! Mas você veio morar em mim desde o primeira vez que a conheci em sua ousadia de insistir, de continuar apesar da sua dor. Sua opção pelo amor é tào concreta, querida!
E desde quando você entrou em minha vida sou eu melhorada por você. Uma mocinha pititica que nunca vi, mas deixei entrar em minha morada!
O mesmo que Ele nos ofereceu um dia e... ainda hoje custamos a entender!
Linda, gracias por tudo! Beijo amoroso em tudo! No tiquinho de dente também.
Vocês são imensos em mim!
Beijokas,
Claudia

Helena Nascimento disse...

Cris, a maioria das pessoas não gosta de ver as outras felizes. Não deixe que os alfinetes a machuquem.

Por muito tempo eu quis o seu livro. Comprei há mais de 7 meses e não consegui terminar de ler por falar tanto de perda e ausência. E como eu tinha "perdido" alguém recentemente, doía demais em mim.

Lendo esse post hoje, lendo que o seu amor teve tantas idas e vindas e que vocês erraram em busca de um amor feliz assim como nós, vou tentar terminar o livro e vou torcer pelas "vindas" da minha história, porque eu sei que a sua foi e sempre será muito feliz.

Beijo.

Nave Mamãe disse...

Cris,
Coisas que dizem aqueles que nunca amaram de verdade e sabem que até os contos de fada terminam suas narrações com "Foram felizes para sempre" e não "Foram felizes sempre", pois até os casais das fábulas tem seus dias ruins.
E são esses dias ruins que fortalecem um amor verdadeiro, pois se escolhe ficar junto apesar deles...
É triste que terceiros não tenham suas próprias histórias pra contar e queiram reescrever a tua.
Que é linda!

Priscilla Castro disse...

Ai Cris eu não sei nem o que dizer, mas quando leio o que vc escreve, sei que vem daí do fundo do seu ser e sso me toca me arrepia me faz emocionar...
Gosto mto de tudo isso pq vejo verdade e a verdade incomoda a mtas pessoas que não tiveram e até hj não tem nehuma relação de verdade,e isso doi nelas.
Gosto de tudoque escreves e vejo tudo em mim.
Mil bjos e feliz páscoa pra vc e pro Cisco. ♥

Augusta disse...

O melhor disso tudo, é que humanos que somos, aprendemos muito rápido, memorizamos na velocidade da luz, e seu pequeno Franscisco, ao certo já aprendeu a ser um pouquinho de você, apaixonada pela vida, feliz por natureza, ainda que essa vida já tenha te pregado peças.
E depois disso, o que os outros pensam...oras, são dos outros.
Bju enorme.

Noe* disse...

Maravilhoso texto!!!

"Se todos soubessem o quanto é difícil, não falariam nada..."

É bem assim, né?

Um beijo e feliz páscoa =*

Márcia Primo disse...

Venho aqui a tanto tempo, anos. Tenho aquela sensação gostosa de que a Cris, ahhh, é aquela amiga que não vejo a tempos, mas tá sempre ali, e engraçado, nunca comento aqui.
Essa semana, finalmente de férias, esperei enciosa o seu livro chegar, e sim, eu li o blog desde o começo, mas essa história bonita fica mais linda a cada página que leio, e sabe, peço que mesmo que por 1 dia possa ter esse sentimento danado de bonito que vcs tiveram. E pensando em pessoas, é mais fácil apontar defeitos né? A gente se torna maior perante os defeitos alheios, mas me parece tão injusto e egoísta querer crescer na sombra do outro. Mas o mundo é assim. Nós temos e que pedir que com isso essas pessoas sejam felizes, pq se isso não der certo, só resta a tristeza de não se ter nada, nem de ruim.
Cris, queria te deixar meu beijo, meu amor de amiga de longe, de poucas palavras e carinho de quem fala pouco, mas fala com o coração.
Abraço apertado no Cisco.

Cora disse...

Eu bem sei, quantos dedos tenho apontados na face...nem todos sabem quantas vezes ri disso!
Humanos!

Obrigada por também traduzir minha história!
Admiro-te!

;)

Pequena disse...

Gente, quanto carinho. Obrigada! Eu estava meio estranha esses dias e acho que está sendo um renascimento escrever. Uma cura. E as palavras de vocês são cafuné. Um beijo grande para cada uma.

@ugust@ disse...

. Como me identifico com suas palavras! Sempre! Adaptadas à minha vida e às minhas situações dos boatos suas palavras formam uma resposta completaaaaaaaaaa. A maldade está no ser humano, em uns mais aflorada, em outros não pelo simples fato de serem bons, de terem corações bons e quererem o bem acima de ser humano. Vc se enquadra na turma do bem, faz muito bem a quem lhe segue, sou prova viva disso! Continue vivendo e escrevendo intensamente sobre seu amor, sobre o amor, vc nos cativa com isso ainda mais.
. Bj. Te adoro, e o Cisco tb. Fiquem com Deus.

Bel disse...

... do tanto que há em ti. Desse tanto que tu nos oferece. Desse tanto que tu nos preenche ao se revelar cada dia mais em seu amor. Bem se sabe que só o amor cura. Que só ele transforma. Tua transformaçâo sempre me emociona. O poder que tens de transformar ... toda essa devastidāo que sai da boca e dos coraçōes enxarcados de vazio e fúria ... é algo cativante. Só tu sabes desse amor. O máximo que eu, e todos/todas os/as demais podemos fazer ... é sentir. E sobre o sentimento ... Temos domínio próprio. K feliz daquele que se projeta no que olha ... daquele que ne, se observar ao olhar.
E a vida segue.... E a gente te segue pra aprender .... a amar.

Muitos beijos,

Bel

. disse...

O Fran vai ter muito do pai, porque o pai vive em você. As pessoas vivas ou mortas, vivem em nós também. Talvez os outros estejam apenas magoados, talvez os outros sintam inveja, talvez os outros estejam tão machucados quanto você já esteve um dia, ou talvez não. O importante, realmente, é viver aquela 'alegria' marcada em você e nele, que já foi, de tantas formas. Temos de ser alegres, humanos que somos, amantes que somos. Senão não somos nada, não podemos nada, e mal nascemos ou renascemos.

Morena disse...

Eu quase não comento, mas hoje um apoio a mais faz bem, o importante é vc e o Francisco saberem do amor que vcs viveram e ainda vivem!
Fofocas e pessoas querendo perturbar sempre irão existir, pena que essas pessoas não conseguem se concentrar em suas próprias vidas e serem felizes!
Beijos saltitantes
Boa semana

Marilza disse...

A felicidade 'alheia' realmente incomoda a muitos...Assim que descobri esse seu blog, sorvi cada detalhe precioso e me encantei (ainda me encanto) com seus escritos e, muito mais, com seu pequeno Francisco. Saiba que aprendo com voce, com aquilo que escreve e a forma tranquila e serena de se mostrar de cara limpa e coração tranquilo.
Com certeza, isso incomodará por algum tempo mas tudo passa.

maite disse...

A eterna maldade das pessoas...Cris você é tão mais que isso.
Beijos. Com amor.
Maite.

Sua menina disse...

"Sei que se identificou comigo porque deve ser das fortes e que ama intensamente". Um dia vc me respondeu isso por e-mail. Agora te reenvio da seguinte maneira: SEI QUE SENTE TUDO ISSO PORQUE DEVE SER DAS FORTES E QUE AMA INTENSAMENTE.

Um dia me disseram que "uma grande luz traz junto uma grande escuridão". E eu digo que só quem é capaz de passar por toda essa escuridão é que compreende o verdadeiro significado da luz. Pois como já dizia Clarice Lispector, "pensar é um ato. Sentir é um fato."

forte abraço,
Milena Saito

A Maçã de Newton! disse...

Não se preocupe com os "outros", o que está em vc é o que conta. Embora os "outros" nos fazem quem somos. Vc sempre terá vc e sempre terá o Cisco. Isso deve ser bom. Sempre.

bjs!

LUARES DE LILITH disse...

Muitos querem o principe ou as delicias do amor, esquecem-se de que precisam acolher o kit completo, que compõe um ser humano: suas virtudes, seus defeitos, sua postura perante o mundo. Cada um vem ao mundo com uma bagagem e suas escolhas determinam o que fazer com ela... Francisco é abençoado por ter pais que o amaram e o amam tanto, tanto, tanto! O mais é torcida e ponto. Quanta gente ao invés de se arriscar em uma história, foge, corre. E quando uma fatalidade acontece reclama seu lugar ao ''sol da viuvez'', só reforça a sua covardia de viver uma história de amor com tudo o que ela tem direito: diferenças de pensamentos, de atitudes e reencontros de amor. É preciso coragem para se jogar nos braços e no coração de um outro alguém... É preciso coragem para amar o pacote completo! E isso minha querida você tem de sobra! Feliz seja sempre o Francisco por ter uma mamãe tão inteira para lhe guiar na vida, certamente é um menino e seja um rapazinho muito feliz!!!!!! Beijocas linda!!!

Débi disse...

tão lindo, tão forte tudo que você escreve Cris...
ganhei seu livro de uma grande amiga, dinda da minha filha luísa, (que está agora com 5,5 meses)e não deixo de ler e indicar seu livro/blog pra todo mundo que conheço...
assisti entrevistas suas, e ouvindo você falar vi uma fragilidade que nas palavras não via...isso me encantou ainda mais.
sei da vontade que teve de escrever esse texto, pode ter certeza que sim.
sucesso sempre!
beijos.

Maxuel Limah disse...

Nada é tão doloroso quanto ver uma mãe relatando ao filho um amor que iria acontecer e não aconteceu (em carne, presença). Acredito que quando Fransisco crescer e ler todo esse amor vai admira-la ainda mais, por saber que se preocupou em dizer ao mundo o quanto esse amor estará presente em sua vida, muito além das linhas. Gosto de falar de amor...amo ouvir do amor...

Luciana Chammis disse...

Caramba Cris! Te juro que me emocionei, foi muito profundo o que vc escreveu.
Que vc continue sendo essa moça forte e linda! E não se abale com opiniões alheias.
Que Deus abençoe vc e o Francisco.
Mega beijo.

Dan disse...

que sorte tem esse menino por ter uma mãe madura e consciente.
sorte nossa de podermos ler isso tudo por aqui.
Parabéns Cris! De coração!

Babi Szücs disse...

Cris! Lindas palavras sobre uma realidade infame. Quem expõe a vida na net põe a cara a tapa. E por incrivel que pareça, vai sempre ter alguém pronto para dar este tapa. E somente pelo bizarro prazer de causar dor... Mas não é a toa que você se chama Guerra. E a Guerra vira facilmente GARRA. Uma garra que admiro enormemente.

Lu Zorzin disse...

Minha linda, você é nobre e amorosa como poucos. É um presente para nós convivermos com a doçura das suas palavras. Soam tão bem aos meus ouvidos. beijo no coração.

chaverdecomlimao disse...

Cris, leio sempre teu blog.Sempre com textos tão lindos!
Pena que a maldade supere o amor, o carinho, a amizade e a cumplicidade. A história de vocês, já diz: "é de vocês". As pessoas que aqui lêem, é só isso que podem fazer. Não viveram e não têm o direito de intrometer-se em algo tão lindo. Poucas pessoas conseguem falar só coisas boas. Você tem esse dom. E tornar a história tão mais linda, mais leve, mais gostosa. Tudo tem seu lado ruim. Mas pra que lembrar!? Muda alguma coisa? Agora não mais! como você mesma disse: agora vocês são dois - quase foram três! Beijo! Lindo texto!

Heloisa Gonçalves disse...

Sorte a sua, sorte a nossa, sorte a do Francisco, Cris, que com tal "ingenuidade" você soube perpetuar especialmente o que Gui demonstrava de bom. E que fique de toda a linda história de vocês a verdade do amor pulsátil que, estou certa, também envolve seu filho. Amor que é, e não que "poderia ter sido". Beijo grande.

samanta351 disse...

Que lindo, que verdade, que lição, que visão, que...

Sensacional.

bjos.

Carolina Arêas disse...

"Amor, meu grande amor
Só dure o tempo que mereça".

Cris, encantadora de palavras, vocês fizeram deste amor a coisa mais linda que podia ser pelo tempo que ele pôde acontecer. Com suas dores e tristezas também, como todo amor. E do amor, nasceu Francisco. E de suas palavras, nasceram leitores. Pra cada alfinete lançado, há muitas, mas muitas mais pessoas que pensam em vcs três com amor.

Mirys + Guigo + Nina disse...

Cris:

Acho que nunca li um post assim seu. Tão incomodada. Tão aberta. Tão escancarada!

Que vocês dois estejam em paz...

Bjos e bençãos.
Mirys
PS: queria convida-la para o MAMARAZZI WEEK, lá no Diário, na semana que vem.
http://diariodos3mosqueteiros.blogspot.com/2011/04/mamarazzi-week-preparem-se-diario-da.html

LL disse...

Parabens pelo blog, por tudo o que ele significa!Adorei e add aos meus preferidos, fique com Deus!
http://luleoback.blogspot.com.br

Lu disse...

Cris,
Lindo demais. Só quem passa por perda de um amor de forma tão sofrida é que sabe das lembranças q tem. Só vc sabe do amor que viveu.
Eu também perdi, na web faço uma espécie de terapia em grupo escrevendo e lendo.
Deixe q falem.
Te desejo toda a felicidade do mundo, para vc e o Cisco!
bjs
Lu.

Tecendo Historias Cursos disse...

Como és grande, pequena !
Bjs plenos de admiração.
Betty

JCPedra disse...

Linda carta!!
Parabéns, Cris, seus textos são lindos- e o seu amor também. Você é de uma sensibilidade incrível.
Um beijo de uma fã de todos os seus blogs,
Julia.

Trabalho de Espanhol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana disse...

"Coração, quando ama, pensa até nas impossibilidades!"
Chris vc me emociona.
vc através das suas palavras me ensina.
Me faz acreditar que a vida não é pra amadores. para viver tem que ter coragem.
Nesta manhã de domingo suas palavras foram muito valiosas para mim.
abraços com admiração.
Luciana

Maria disse...

Nossa, uma emoção enorme me assaltou emocionei-me demais, lindo.

Marcia disse...

Só hj soube da existência do seu livro...( foi lendo a Martha Medeiros ) Fiquei encantada e apaixonada pela delicadeza...corri para conhecer o blog e amanhã correrei para comprar. Parabéns pela coragem !

Larissa Pretti disse...

MINHA NOSSA SENHORA DO AMOR PURO, que delícia ler vc, ouvir vc (sim, pq é possível OUVIR o som das suas letras) e sentir tudo isso que vc sente daí.
Venho aqui pela primeira vez, e voltarei MUITAS OUTRAS já que percebi a porta aberta! ;-)

E só pra constar: AMOR de verdade, desses de rasgar o verbo e de SE TORNAR VERBO incomoda mesmo... mas enquanto é nosso, é amor E PONTO! Delícia saber que vcs viveram (e perpetuaram) esse amor!
;-)
Mil beijos

Pati_Bella disse...

Sabe o nome disso? Inveja... Acho que "essa gente que espalha palavras ao vento" tem é inveja de vc, da sua história, de vc ter dado a volta por cima, de vc ser linda, de ter um filho maravilhoso, de ter vivido um grande amor, do jeito que vc escreve, etc., etc., etc., acho que elas queriam ser vc!!!
Nem liga pq vc, seu filhinho e sua história são beeeeeeem maiores do que isso... Bjos :*

Laura disse...

eu podia dizer muita coisa, mas só consigo pensar que um texto lindo desse só poderia sair de uma pessoa linda. achei o texto tão carinhoso e singelo, mas também tão forte...
adorei.

Ana - Hoje Vou Assim OFF disse...

Meu Deus, Cris. Você é gênia das palavras. E dos sentimentos.

natalinhaespindola disse...

Cris, quantas palavras lindas em uma pessoa só "Você" , cada vez que entro em seu blog, me emociono e choro diante do computador, sim, pq ler tua história de dor, sentimentos, ausência, saudade, me faz pensar que a vida é muito mais que só tristezas as quais passamos e nem ao menos temos uma explicação na maioria das vezes,mas como eu sempre penso, nada é por acaso na vida de TODOS NÓS, para tudo tem uma explicação, as vezes não queremos aceitar, e quando aceitamos dói mais que o necessário. Quero te parabenizar por você ter essa força, sempre pensamos quando o problema é com os outros sempre vem o mesmo pensamento que não teremos força...mas aí acontece conosco, e vimos o quão forte somos.
Fique com deus vc e seu filho.

Bjo

Natalia.

Beto disse...

Você é maravilhosa! Acho que nenhum homem inteligente deixaria de amar alguém como você.

Érika Gimenes disse...

A paz alheia incomoda sempre, Cris.
Os atordoados não compreendem como podemos ficar tranquilos com as nossas escolhas e com nosso destino.
O importante é não sermos reféns de nada. Dos nossos medos, das nossas fatalidades, dos olhares e da maledicência dos outros...
Seja imensamente feliz com sua serenidade.
Bjs para você e para o Francisco, alegre na sua fantasia de homem-aranha, realizado com a simplicidade de um sorvete.
Érika Gimenes

Fernanda Alvares disse...

Nunca havia lido seu blog mas hoje resolvi tirar um tempo para ler por inteiro. Acompanhei todo o progresso e uma coisa tenho a dizer: percebi que apesar de tudo o que aconteceu repentinamente em sua vida voce sempre escolheu por combater com o amor. Entao nao importam as criticas de pessoas que nem te conhecem, pelo que vi sua essencia esta no amor e nada vai mudar isso! Continue assim e parabens pelos blogs, voce escreve muito bem e sabe expressar seus sentimentos!

Larissa disse...

Não deixe que este tipo de coisa te aflija por muito tempo, tem que ser fugaz...Quando é assim, a explicação é muito simples e evidente...Existe algo em vc que toca aquela pessoa que se incomodou, toca de alguma forma e se esta pessoa não consegue lidar com isso ela extrava isso, de uma forma bem triste, impulsiva, que pode machucar. E geralmente, quando isso acontece, esse fato de ser tocada é por uma profunda sensibilização e admiração da qual esta pessoa gostaria de compartilhar, mas não sabe como se portar...Muita gente já veio aqui te dar força, mas eu não pude resistir, mesmo pra mim que acomponho sua história a pouco tempo, vc é a Cris Guerra e "a pequena" tbm, com muito carinho. Vc e o Francisco!!! Abraços de urso pra vcs!!!

Larissa disse...

E viva essa mineirinha "batuta"!!! Eu sou uma mineira saudadosa da terrinha, residindo em Curitiba e me orgulho muito dos meus!!!!!!!!!
Carinho sempre!!!!!!!!!!!!

Larissa disse...

....saudadosa kkkkk....é pra vcs verem como a saudade é grande!!!!!!!
:-)

Laura disse...

já li diversas vezes esse texto, e em todas eu me emociono.
pq parece muito com o que eu queria falar para alguém, e todas as palavras fazem sentindo pra mim.
obrigada por verbalizar o que eu sentia.

Lala disse...

Querida Cris,
Humano que somos, como voce mesma disse, vamos aprender a amar, a errar e a saber dizer que ora acertamos e ora erramos. O amor fala muito bem com a alma, e devido a estes laços voces tres sempre terão um fio de ouro, uma fita de união. Um Francisco. Um início, um laço eterno e um carinho.

Thai disse...

Cris, lindo post! Sua história me emociona e, suas palavras transbordam amor!

Só vc sabe o que foi viver este amor e, dele nascer o Francisco!

Bjs carinhosos

Thai
www.desabafoepoesia.blogspot.com

Múltiplas Divagações disse...

Acompanho a sua história cá de muito longe, no meu mundinho, desde quando vc começou o blog Para Francisco. E hj entrei no HVA pois nunca mais tinha entrado e pensei: nossa! Como essa moça recomeçou a vida e vem refazendo dia após dia depois de toda dor que passou. Fiquei feliz por vc.Pelo seu crescimento em todos os aspectos e principalmente pelo seu "se refazer" e ainda passar para seu filho sobre o pai dele. Não me demorei por lá e resolví vir ver como está Francisco hj. Acabei chegando neste post e não pude deixar de comparar a sua história com a minha (que nada tem a ver com a sua a não ser nessa questão do que as pessoas falam). Seu filho tem que receber de vc exatamente o que vc passa: que o pai é um herói, afinal essa é a visão que a criança forma do pai e isto durará até certa idade, já quase na vida adulta, qdo passamos a compreender que seres humanos que somos temos algumas falhas. Os erros que o pai porventura tenha cometido, na tentativa de acertar, já que a vida não tem uma fórmula pronta, devem fazer parte da vida dele daqui há muitos anos, qdo isso vier a ter relevância na vida dele e caso venha a ter relevância. Mas não pude deixar de lembrar do que acontece comigo hj, pois estou casada há 10 anos com alguém que vive para mim, temos uma relação onde os "maus" dirão do tipo "pegajosa" e "melosa" mas onde nos sentimos totalmente à vontade, e ainda hj tenho que ouvir dos "amigos" perguntas e alfinetadas sobre a vida passada dele, do tipo: "fulano vc comeu não sei quem?" ou ainda, "cuidado minha filha esse rapaz come o que acha pela frente", "vc é a primeira, a segunda, a terceira?" Isso pelo fato dele ter sido, segundo eles um galinha que não parava com mulher nenhuma. No começo eu levava na esportiva afinal eu poderia realmente ser so mais uma. Mas agr já são 10 anos. Ja trocamos alianças perante um juiz de paz. E o tempo que tem que está comigo ele não foi visto com mais ninguem ja que esta o tempo todo comigo. Mas infelizmente, Cris, as pessoas são assim, frustradas de ver que o sessentão casou com uma mocinha(!?) de 35 e que o relacionamento deu certo.Naõ enxergam que a vida sexual dele passada já não é mais assunto na roda de papo, já não é mais motivo de piada, não cabe mais. Desta mesma forma elas questionam se o seu daria certo, se o pai do Francisco estaria com vc ainda hj e até qdo e devem questionar tbm o fato de vc passar para o seu filho apenas coisas boas a respeito do pai e se vc conseguirá ser uma "Pãe" bem sucedida. É um comportamento mórbido, fruto mesmo de uma mesquinhez de sentimentos e necessidade de constranger as pessoas, talvez para ter assunto nas rodas de fofoca, e para ver se reabrem antigas feridas. Continue fazendo tudo do jeito que esta fazendo pois as liçoes que vc passa para o seu filho são reais e verdadeiras. Sorte e sucesso pra vc. Abraço. PS. Ja li postagens suas sentindo o coração doer, ja li postagens suas chorando pela sua história, mas tbm ja li tendo orgulho de vc estar superando, reenxergando novos caminhos, novos motivos para ir em frente.

disse...

Meu Deus... Vc escreve com tanta intensidade que me deixa sem fôlego. E como vc me faz pensar nas coisas da minha vida. Adorei te "conhecer". Beijos!

Raquel Alvares disse...

Uma simplicidade de palavras, de sentimentos, puros, verdadeiros e humanos, assim, simples! concordo com vc, não há necessidade de se frizar os defeitos, quando se tem inúmeras qualidades para se lembrar..afinal, o que seria de nós, se a cada dia grifasse-mos os nossos defeitos e escondessemos as qualidades..quando, no sentido real de se viver, é o oposto que precisamos! Um abraço carinho, li seu livro ano passado já, mas desde então, sempre espio um pouco por aqui, o crescimento deste lindo Francisco!boa semana!

Flávia Ferrari disse...

Cris,
não leio blogs todos os dias porque me falta tempo - ou me falta aquela vontade de ver a vida como novela.
Mas cada vez que volto aqui sinto-me voltando para casa, ouvindo palavras exatas que devem ser sempre relambradas.
Leio, choro, me emociono.
E, definitivamente, saio daqui melhor que eu entrei.
Beijo grande

Rita de Cássia Lisbôa disse...

Cris, não importa o que os outros dizem. Ninguém nunca saberá se ele estaria com vc se estivesse vivo, porém agora ele é todo seu, no rosto, no olhar e no abraço de Francisco e a história que vcs viveram é só de vcs, com momentos bons e/ou ruins. Francisco selou para sempre este amor e este relacionamento. Amo o seu blog. Bjs e até as próximas francisquices

chadebergamota disse...

Cris,

Por muito que outros saibam acerca do pai do Francisco ou tenham partilhado com ele, o que é vosso, é vosso e do vosso filho. De mais ninguém. E para sempre. Ninguém pode tirar.

O que vocês viveram, só vocês sabem. Por muito que se diga ou escreva, só vocês sentiram, só vocês estiveram lá.

O facto é que é impossível ficar indiferente à vossa história. Mesmo quem não gosta "tem" de reagir...

Eu sou uma de muitas pessoas que agradece teres partilhado este pedaço da tua vida. Os outros... os outros importam muito pouco.

As maiores felicidades para ti e para o Francisco.

Beijos,
Catarina.

Juliana Caribé disse...

Durou, sim, pra sempre. O pra sempre dele. Que, por um lapso de tempo, não era o seu. Mas durou. "Que seja eterno enquanto dure."

Camila Rodrigues disse...

O que importa é sentir... E isso, poucos sabem, pois não se aprende. Essa habilidade nasce com a gente. Então, que eu sofra, mas que nunca deixe de sentir verdadeiramente.

José de Arimateia disse...

Esse blog tinha que virar filme...